Home | Fale Conosco

 
 
 
 

   News

CATOCA LUCRA 40 MILHÕES

 

Os dados são parcelares e se reportam ao trimestre Janeiro-Abril de 2018, tendo a empresa recuperado dois milhões e 200 mil quilates de diamantes que totalizam um lucro líquido (no período em referencia) de 40 milhões de dólares norte-americanos. O anúncio foi do Director Geral de Catoca, em conferência de imprensa que antecedeu os festejos do 27 de Abril, dia do mineiro angolano.

Sergei Amelim, que falava perante uma dezena e meia de jornalistas de vários órgãos de Comunicação Social, fez saber que em 2017, foram tratados 11 milhões e 500 mil toneladas de minério que resultaram na recuperação de 7 milhões e 700 mil quilates de diamantes contra os 7 milhões e 200 mil do período homólogo 2016, sem reflexo no aumento na facturação global, tendo em conta a oscilação do preço dos diamantes no mercado internacional.
A melhoria dos indicadores económicos e financeiros que a empresa regista, continuou, “têm reflexo directo na vida de dois mil e 200 trabalhadores, traduzindo-se num incremento de 10 milhões de dólares em termos de salários que cresceram sete por cento".

O líder da diamantífera contou ainda que, actualmente, o mercado de diamantes é estável e com esperanças de melhorias, em função da redução da produção de alguns colossos mundiais como a Alrosa e a De-Beers e abrandamento em uma das maiores minas australianas que colocava anualmente cerca de 15 milhões de quilates no mercado.

O esforço e empenho dos trabalhadores de Catoca no cumprimento do plano de lavra, de redução de custos e aumento da produção foi reconhecido pelo Director Geral que reiterou o apelo dos sócios em reduzir os custos e aumentar a produtividade.

A implementação de novas tecnologias, sobretudo na área de produção, é, segundo o gestor, uma das apostas traçada pelo órgão de Gerência da Organização.

RECUPERAÇÃO DO MINÉRIO

Quanto à massa mineira, Sergei Amelin explicou que foram extraídos em 2017, 15 milhões e 700 mil metros cúbicos, dos quais 10 milhões e 150 mil de estéril e cinco milhões e 500 mil de minério. Revelou também que actualmente os salários de funcionários de Catoca já ombreiam com os de outras maiores empresas em Angola, sobretudo as do ramo petrolífero.
‘’Depois o aumento nos ordenados de todos, a empresa fará incrementos nos salários dos melhores trabalhadores e para aqueles que começarem a manusear equipamentos mais sofisticados, para incentivar o aumento de produtividade’’, realçou Amelin.

Alcançar nos próximos anos o segundo lugar no ranking mundial das diamantíferas é uma meta, desiderato que leva Catoca a investir anualmente na formação dos seus quadros, para permitir uso correcto de equipamentos de ponta ligado ao tratamento de mineiro.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Em meio das dificuldades aliadas à crise económica e financeira que apoquenta o país, Catoca deu continuidade de todos programas sociais realizados em parceria com o Governo da Lunda Sul. Para tal, foram desembolsados 12 milhões e 200 mil dólares, cifra que extravasou o tecto permitido pelos accionistas.

A construção da escola do primeiro e segundo ciclo de Sueja, a implementação de sistemas de abastecimento e distribuição de água potável, o reforço da assistência médica e medicamentosa e a construção de 36 residências para os habitantes em processo de reassentamento de Samaigi, na concessão de Luaxe, constam dos esforços imprimidos no corrente ano.

SITUAÇÃO DO LUAXE

Para evitar especulação sobre o funcionamento da mina de Luaxe e consequente contratação de mão-de-obra, Sergei Amelin avançou que o ‘’programado para o primeiro semestre do corrente ano é a extracção de grande volume de minério para o estudo de viabilidade económica’’.

Sobre a profundidade da mina, o responsável informou que faltam ainda 20 metros de camada de terra a ser escavada para se atingir o minério e, posteriormente, começar a produzir a mostragem de grande volume e ser tratada numa das centrais de Catoca. "Só aí receberemos os primeiros diamantes”, elucidou.

‘’Neste momento trata-se apenas de uma mina geológica em estudo, que carece de aprovação e continuamos a escavar para encontrar o minério”, trabalho considerado duro que pode levar anos, esclareceu.
O Director felicitou os trabalhadores mineiros vinculados directa ou indirectamente à empresa e desejou harmonia familiar para que continuem a empreender esforços para o crescimento da empresa.




 
Endereço:
Luanda/Angola - Sector Talatona – Luanda Sul - Tels.: 2226247000 | 2226247001 | Fax.: 222006140 | 222006141
Saurimo/Angola - Tels.: 222624000 | 222624001 | Fax.: 222624108